sexta-feira, 29 de outubro de 2010

Para que servem os Planos Verdes?

Para se evitar isto!!
 
Alcântara / Lisboa, 29 de Outubro de 2010
11:00H da manhã
 

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

O "outro" CO2...

Esta notícia marca bem qual o verdadeiro "termómetro" do Planeta: a sua Biodiversidade!
 
Foto e Notícia em http://ecosfera.publico.pt/biodiversidade/Details/o-planeta-pode-estar-a-perder-a-coluna-vertebral-da-biodiversidade_1462962

A Biodiversidade é o resultado da qualidade dos Habitats, da sua diversidade e do seu equilibrio.
O problema é complexo, mas simplificadamente não basta dizer-se que temos uma área propícia ao desenvolvimento de uma espécie ou grupos de espécies. A dimensão, a unidade, até a forma da referida parcela, saber-se se está em rede com outras, todos esse aspectos configuram o sucesso de uma espécie e, por isso, o sucesso de toda uma cadeia que com ela se relaciona.
 
É por isso que é necessário proteger-se os Habitats, as reservas de solos potenciadoras de Habitats, todas as espécies animais e vegetais, por mais insignificantes que nos possam parecer, e até aquelas que, sem sabermos, podem constituir a causa do colapso de um determinado ecossistema.
 
É por isso que o frenético empenho na não emissão de CO2 é um erro, pois configura falhar o alvo. O alvo é a Biodiversidade e o CO2, porque é muitas vezes associado a emissões e acções sobre o território), é apenas um "meio". É na Biodiversidade que podem e têm que se ser criados mecanismos de protecção (Fundos de Conservação e outros) e toda uma gama de políticas de protecção territorial que trazem repercussões, a serem medidas em Biodiversidade.
 
Entenda-se: Biodiversidade é o resultado do equilibrio do território, e não sinónimo de "muita diversidade" ou "muitas espécies".
 
Enquanto a banca dinamiza (e financia) o mercado do CO2 sem sabermos bem o seu interesse para além do próprio...mercado, a comunidade internacional começa agora a falar do verdadeiro problema global. faltam agora os mecanismos. E depressa, andámos a perder demasiado tempo com o CO2.
 
Nota: Porque o CO2 está tantas vezes ligado a processos ineficientes do ponto de vista energético, a tomada de atitude que está associada a tantas acções públicas e privadas visando a sua redução é positiva, porque acaba por afectar positivamente o processo ineficiente em si mesmo. Daí que esteja de acordo com a generalidade das soluções e campanhas nesse sentido.
Mas a subversão desta lógica da eficiência energética, conduz a que, em nome de um CO2 "nulo", se defenda o Nuclear como solução energética, o Carro Eléctrico como a solução de mobilidade, a ECO-construção em locais onde a edificação é desaconselhada, e por aí fora.  Esse tem sido o mal do CO2...

sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Lisbon Cycle Chic

foto: LISBON CYCLE CHIC:

http://www.lisboncyclechic.com/?p=424

Andar de bicicleta no quotidiano é uma mudança de atitude, para muitos, quase impossivel. Lisboa sempre foi motivo de discussão sobre a possiblidade ou não de usar a bicicleta. Em 2007 decidiu-se avançar com uma forte política para o uso da bicicleta.
Muito se discute sobre as decisões mais adequadas para aumentar o uso de ciclistas, e para os fazer circular em segurança.

Sempre defendi uma rede fundamental de Percursos Cicláveis dedicados (em espaço próprio), ganhando espaço de cidadania e fazendo massa crítica.
A bicicleta passou em Lisboa de utopia a uma possibilidade real. De possibilidade a realidade falta ainda outro tanto.
Mas já se fez metade do caminho!

Eu acredito que a bicicleta será uma realidade. Esta senhora prova isso mesmo! A FOTO mostra a utilização de uma das recentes ciclovias de Lisboa (Benfica - Telheiras), onde ainda ontem, em menos de 5 minutos, vi 5 ciclistas, e nenhum deles a fazer desporto. Quando foi inaugurada tenho zero ciclistas. É natural, embora muitos tenham denegrido a importância desta opção, que passou ainda por reduzir de 4 para 2 faixas de rodagem o tráfego nesta via.
Para esta senhora, a decisão de andar de bicicleta fez-se, quase de certeza, pela possibilidade que este percurso lhe proporcionou.
Mas esta senhora não tem, nem terá, pistas cicláveis para chegar a todo o lado. Terá pois que andar com os carros em muitas situações. Para isso, restringir o tráfego é fundamental e, muito importante, reduzir-lhe a velocidade.
E depois educação e civismo.
É importante que as pessoas percebam que podem andar na estrada, em condições de pouco tráfego e velocidades reduzidas.

Em paralelo ao trabalho das ciclovias, tem que ser feito o trabalho de compatibilização dos ciclistas na estrada. É urgente que se faça!
As zonas 30 e a circulação na faixa BUS podem ser impulsos decisivos e têm que acontecer.
Não há tempo a perder. De que estamos à espera?

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

O OE, pelo menos, não nos cortará isto!

Nascer do Sol no Tejo, 21-10-2010

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

"A Rua da Estrada"

Há livros assim: Gosta-se logo e devora-se com avidez!
 
"A Rua da Estrada" de Álvaro Domingues é uma obra que veio preencher os meus anseios antigos sobre um assunto que precisava de ser tratado. Kevin Linch já o abordou, numa abordagem macro que marcou o pensamento Pós-Modernista, dissecando o mundo suburbano, a sua falta de referência e coerência urbana. A
ntónio Barreto por diversas vezes já abordou, de uma perspectiva sociológica, este fenómeno da ilegibilidade urbana, dos "Túneis do Grilo" que por aí existem e que toda a gente sabe onde ficam, menos ele.
 
Álvaro Domingues consegue-o de uma maneira única, já que se foca exclusivamente a dissecar o fenómeno de "urbanização" e transformação em redor da Estrada, trazendo para o palco todas as simbologias, algumas de outros tempos, alinhadas ao longo da Estrada (ex-rua), com todas as manifestações simbólicas do "progresso" e do paradigma "modernista / motorizado", numa misturada hilariante.
Sim, Álvaro Domingues usa a ironia para melhor transmitir a mensagem. Ao estilo "Gato Fedorento", somos confrontados com uma realidade triste, sobre a qual, sem rodeios, o riso é por vezes o melhor remédio. Talvez mesmo o único. E eficaz!
O assunto é sério, e embora às gargalhadas, ninguém se poderá queixar de não ter percebido a mensagem.
A Rua da Estrada é um livro a não perder!
 

sábado, 16 de outubro de 2010

Bicycle Rush Hour Utrecht (Netherlands) III

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Metro Sul do Tejo - INACREDITÁVEL

ARTIGO E FOTO EM http://www.publico.pt/Local/metro-sul-do-tejo-precisa-de-sete-milhoes-do-estado-para-funcionar_1460753

LIÇÃO BÁSICA: Se não houver MESMO dinheiro, cortem nas estradas, NUNCA no transporte público.
 
Cada vez que se fizer mais 1km que seja de novoas estradas na Área Metropolitana de Lisboa, lembrem-se desta notícia.
 
Só o PROTAML propõe, para se fechar "a malha" (!!), qualquer coisa como novos 100Km de estradas. INACREDITÁVEL!

segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Sustentabilidade dos Espaços Verdes Urbanos

Foto AQUI

Neste clima de restrições orçamentais em variadas áreas, bem como cortes nos salários e regalias laborais e sociais, alguém ainda admite que se projectem espaços verdes sem ter como um dos factores centrais na concepção, a preocupação por fazer uma obra pouco dispendiosa e com os menores custos de manutenção possivel?

Publiquei este ARTIGO sobre o tema, que continuará a ser um assunto que continuarei cada vez mais a aprofundar e desenvolver.

sábado, 9 de outubro de 2010

Tempestade 09.10.2010

videoImpressiona sempre a força do mar...
Vê-lo subir mais alto que o Forte de S. Julião da Barra, vê-lo tapar todo o extenso areal da Praia de Carcavelos e galgar zonas pedonais e áreas de plantação mete respeito.
Dá-me ideia que, de ano para ano, o mar está a vir a estas áreas com mais facilidade.

Faltará areia nas praias da Linha de Cascais?
Sim!
As Barragens nos rios e a Marina de Cascais, em conjunto, parecem-me dar argumentos mais que convincentes para esta causa.

No entanto, dos poucos documentos que vi explicarem esta matéria, a causa são...as Alterações Climáticas?
Será mesmo?
Neste caso, parece-me que é uma explicação demasiado abstracta. Aliás, as Alterações Climáticas dão para tudo e no fundo, assim ninguém é realmente culpado. Nem se fala mais da Marina nem do Plano das Barragens, algumas muito pouco necessárias.

Somos, portanto, "Nós Todos" os culpados.



terça-feira, 5 de outubro de 2010

Viva o Gordo!

Máquinas automáticas de venda de alimentos nas escolas?
Que alimentos?
Não se espantem do resultado:
Com a despesa pública a apertar, com esta alimentação e com os pais a levarem as crianças até "dentro da escola", de carro, como se vai aguentar o SNS?

Já o filme "Super Size Me" em 2004 denunciava isto nos EUA...


ARTIGO AQUI

IMAGEM AQUI

domingo, 3 de outubro de 2010

Faixa Ciclável em Cascais - uma boa solução

Esta é uma boa solução:

Cascais - a Avenida que deixa o centro histórico a caminho de Cascais - Poente (Guia).
Avenida de 50km/h, com algum declive.

O ciclista que sobe apresentará dificuldades, terá uma velocidade muito baixa quando comparada com os automóveis.
A segregação em faixa bicicleta, eficaz se não houver estacionamento ilegal, resolve esta questão.

Para baixo, a bicicleta apresenta velocidades próximas dos automóveis. Dispensa-se a segregação.

Pintaria a faixa de branco e com 25cm de espessura. De resto, nada a dizer!


 
Site Meter